INTERVENÇÃO ESTATAL

A intervenção do governo federal e dos governos estaduais no setor elétrico se deu com a criação das empresas estatais. Juscelino Kubitschek, ao tomar posse em 1956, criou as primeiras estatais federais de energia: a Central Elétrica Furnas (Furnas) e a Companhia Hidrelétrica do Vale do Paraíba (Chevap).

Em São Paulo, a primeira estatal foi a Usinas Elétricas do Paranapanema (Uselpa), fundada em 1953 para aproveitar o potencial hidrelétrico do rio Paranapanema e para assumir a construção das usinas de Salto Grande, Pirajú, Chavante, Ourinhos, Canoas
e Capivara. A Companhia Hdrelétrica do Rio Pardo (Cherp) foi estabelecida em 1955 para desenvolver os aproveitamentos hidrelétricos do Rio Pardo e do médio Tietê. Em 1961 foi criada a Centrais Elétricas de Urubpungá (Celusa), responsável pela construção do Complexo de Urubupungá, no Rio Paraná, constituído das usinas de Jupiá e Ilha Solteira. Em dezembro de 1966 essas empresas foram unificadas, dando origem as Centrais Elétricas de São Paulo (Cesp).

Ao longo das décadas de 1950 a 1990, período em que as empresas concessionárias do setor elétrico paulista estiveram
sob o comando do governo estadual, foram construídas 24 usinas hidrelétricas no estado de São Paulo,
originando um dos maiores parques hidrelétricos do mundo.